21 setembro 2017

Dia Internacional da Paz

ia Internacional da Paz

Esta iniciativa mundial foi estabelecida pelas Nações Unidas em 1981 e foi comemorada pela primeira vez em setembro de 1982.
Em 2002 a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou oficialmente o dia 21 de setembro como o Dia Internacional da Paz.
A comemoração deste dia tem como objetivo levar as pessoas a sensibilizaram-se para a necessidade da paz no mundo e para promoverem atos que tenham como resultado o fim dos conflitos entre povos e a consagração da paz mundial.

06 setembro 2017

Seminário




Dia 6 de setembro  decorreu no Cinema Charlot- Auditório Municipal  o seminário “ Promoção da Cidadania e Igualdade de Género”
Este encontro integra-se no projeto CIGE4all, promovido pela instituição setubalense O Sonho e a Casa do Povo de Sesimbra, em parceria com o Gabinete da Secretária de Estado para a Igualdade e Cidadania, que tem como objetivo implementar práticas educativas não formais que promovam e incluam a cidadania e a igualdade de género nas vivências do ensino pré-escolar.
O seminário realizado com o apoio da Câmara Municipal de Setúbal, contou com diversos especialistas, que refletiram sobre a importância da educação para a cidadania e igualdade de género, numa perspetiva de construção de uma sociedade mais igualitária e integradora.

Novo ano letivo!


Chegou  o primeiro dia de aulas de mais um ano letivo!
É tempo de rever colegas, mas também para conhecer novos lugares ou novas gentes.
Todos os anos  é diferente, mas os primeiros dias de aulas são sempre vividos com um misto de receio e de vontade... e os dias vão passar e dar lugar a outros desafios e conquistas.
A Biblioteca estará, como tem sido hábito, ao dispor de toda a comunidade para apoiar o trabalho escolar, oferecer acesso à informação, à educação e à cultura, mas também para proporcionar uma ocupação útil dos tempos livres.
Esperamos contar com a visita de muitos alunos, professores,  pessoal não docente e, também, de encarregados de educação!
Contem connosco para mais um ano letivo, com determinação e força para, todos juntos, vencermos!
Bom ano letivo!



28 janeiro 2016

PARABÉNS RBE !

1996-2016 • A RBE comemora 20 anos
________________________________________



Em 2016, a Rede de Bibliotecas Escolares comemora vinte anos de existência. Vinte anos que nos permitiram atingir 2426 bibliotecas escolares e 1301 professores bibliotecários. Lançar um sem número de iniciativas em prol da leitura, da inclusão e das literacias exigidas por uma sociedade onde a informação e a tecnologia imperam e a incerteza se tornou uma constante. Vinte anos em que encontrámos parceiros, públicos e privados, que se tornaram aliados firmes e indispensáveis do nosso Programa. Em que obtivemos a confiança e a estima de muitos professores, alunos, funcionários, diretores de escolas e de centros de formação. De autarquias, bibliotecas municipais, fundações, universidades, associações e outras instituições da sociedade civil que nos dão o privilégio de trabalhar lado a lado.

Vinte anos percorridos temos razões para celebrar. Mas também a consciência de que o futuro é exigente e incerto. E que o nosso papel junto de alunos, de professores e também dos parceiros com que queremos continuar a trabalhar, passará pela forma como soubermos interpretar e responder às questões e valores com que o futuro já se está a desenhar.

22 janeiro 2016

“Um livro ilustrado é um livro com brinde”


A sétima edição da Ilustrarte – Bienal Internacional de Ilustração para a Infância é inaugurada nesta quinta-feira no Museu da Eletricidade, em Lisboa. Teresa Lima foi uma das selecionadas entre 1700 ilustradores de 72 países.

A ilustradora Teresa Lima foi mais uma vez selecionada para a exposição que de dois em dois anos mostra o que de melhor se faz pelo mundo na área da ilustração para a infância, a Ilustrarte. Desta vez, concorreu com originais do livro ainda não editado O Contador de Estrelas, com texto de de Arturo Abad (OQO Editora).

Para a também professora de Educação Visual, “um livro ilustrado é um livro com brinde”, porque entende que “a imagem não está lá para fazer compreender o texto, é uma mais-valia para aquele texto”. Acredita que “mostrar para lá do que está escrito é uma forma inteligente de ilustrar”. É o que costuma fazer.

Catarina Sobral, Joana Estrela Barbosa e Daniel Moreira também terão trabalhos expostos no Museu da Eletricidade até 17 de Abril, numa mostra que o curador Eduardo Filipe disse ao PÚBLICO ser “bem representativa, na sua variedade de temas e estilos, do que é a ilustração contemporânea internacional para a infância (e para todos)”.

Eduardo Filipe, que partilha a curadoria com Ju Godinho, realça a exposição monográfica sobre a obra de Serge Bloch, “um dos grandes autores da ilustração e design internacionais”. O artista, autor de Eu Espero…, com Davide Cali (Bruaá), fez parte do júri e estará presente na inauguração. O curador destaca ainda um outro núcleo a visitar no Museu da Eletricidade, “o espaço dedicado aos livros de Alice Vieira, uma das mais importantes escritoras portuguesas para a infância e juventude”.

Esta sétima edição da Ilustrarte foi ganha pela ilustradora espanhola Violeta Lópiz, com um trabalho inspirado nas ruas de Lisboa para o livro Amigos do Peito, com texto do brasileiro Cláudio Tebas e editado em Portugal pela Bruaá.

A ilustradora vive em Berlim e fez este trabalho durante uma residência artística em Lisboa. Violeta Lópiz contou à Lusa: “Pensava que iria fazer facilmente o livro, porque é um poema muito simples, mas enganei-me, foi muito mais interessante.” E acrescentou, sobre a cidade, que acabaria por reproduzir no livro: “Há outros estímulos, outra luz, outra língua.” Como banda sonora em fundo durante o seu trabalho, realizado com canetas de feltro, foi escutando música de José Afonso, disse à Lusa.

As menções especiais foram para a ilustradora belga Ingrid Godon, o espanhol Jesus Cisneros e a italiana Claudia Palmarucci. Todos estarão presentes na inauguração, a convite da Ilustrarte e da Fundação EDP.

Nesta edição, os arquitetos Pedro Cabrito e Isabel Diniz optaram por colocar os originais das ilustrações em 50 pequenas estruturas em forma de casa, “aquela forma que desenhamos na infância, um quadrado, uma janela, um telhado e uma chaminé”, descreve Eduardo Filipe. Os trabalhos ficarão no “chão da casa”, que é o tampo de uma mesa.

O aspeto geral da exposição será assim o de um bairro. Coincidência feliz com a obra vencedora, já que tudo foi concebido antes de se saber o resultado do concurso.

Para Teresa Lima, que concorreu sempre a todas as edições, a Ilustrarte “é muito importante porque, além de ser uma forma de contactar com outros ilustradores, é uma forma de divulgar o nosso trabalho a nível nacional e internacional”. Realça ainda que ver um original (quando não é ilustração digital) é muito diferente de ver uma reprodução, “vê-se como é que se faz, todas as camadas”. E conclui: “A Ilustrarte é a nossa Feira de Bolonha aqui em Portugal. É uma honra, no meio de tanta gente, ser selecionada. Fico sempre feliz.”

Para a vencedora, Viloleta Lópiz, “é muito bom, porque passamos a vida fechados em casa a desenhar, sem saber muito bem se [os leitores] vão gostar ou não”.


Nesta edição, a visita à exposição custa 2 euros, revertendo a receita para a campanha de assistência humanitária Unicef – Crianças Sírias.

21 janeiro 2016

LER COMO QUEM JOGA - ESCREVER COMO QUEM PINTA

"Um público comprometido com a leitura é crítico, rebelde, inquieto, pouco manipulável e não crê em lemas que alguns fazem passar por ideias."  Mário Vargas Llosa

Tendo como objetivo prioritário o desenvolvimento de competências de leitura, numa perspetiva lúdica e de satisfação pessoal, convidam-se todos os alunos do 3º ciclo e do ensino secundário, das escolas públicas e privadas do continente, ilhas, e territórios internacionais de aprendizagem da língua portuguesa, ao envolvimento num processo que conduza ao ato de ler, à reflexão e à criação de textos originais.

 Propõe-se que os alunos, na esfera das inquietações próprias dessa faixa etária, sejam desafiados a dar testemunho criativo das suas circunstâncias de crescimento e aprendizagem.

De iniciativa do Plano Nacional de Leitura, PNL, e com o contributo dos parceiros Rede de Bibliotecas Escolares, RBE Direção-Geral da Administração Escolar/Direção de Serviços de Ensino e Escolas Portuguesas no Estrangeiro, DGAE/DSEEPE, LeYa, Revista TIME OUT, Camões IP, Fundação José Saramago, FJS, Casa Fernando Pessoa e Porto Editora, o projeto ‘Ler como quem joga - Escrever como quem pinta’, aposta na descoberta e revelação de novos talentos da escrita, nas vertentes a seguir discriminadas:


Notas de Leitura - 3º ciclo 

Dia Internacional da Paz

ia Internacional da Paz Esta iniciativa mundial foi estabelecida pelas Nações Unidas em 1981 e foi comemorada pela primeira vez em setemb...