23 janeiro 2008

Mandarim


O Mandarim

Eça de Queirós


Teodoro, lisboeta dos finais do século XIX, funcionário do Estado, vive na Baixa da cidade. Um ser misterioso, que é obviamente o Diabo, propõe-lhe um dilema terrível: tocar uma campainha mágica e matar, à distância e de imediato, o riquissimo Mandarim Ti Chin-Fu, que vivia nos confins da China.

Este simples gesto faria dele o herdeiro e senhor de uma imensa fortuna! Teodoro cede à tentação mas o crime, mesmo executado telepaticamente, não compensa... Pode-se cometer um crime, ainda que não se suje as mãos, e sem a policia descobrir? A consciência pessoal e o remorso podem perdoar? A morte não tem retorno e os maus actos também não....

Deveria Teodoro ter tocado a campainha?


CC

Sem comentários: